Fragmentos de Brasil (1500-2002)

O escrito disponibilizado em link do 4shared indicado abaixo, tem o intuito de auxiliar os alunos do ensino médio que estão em processo preparatório para o vestibular, PAS 2ª etapa e ENEM, e é o resultado do fichamento – pelo professor  Marcos Brandão – de livros citados nas referências. Os fragmentos escolhidos abordam o Brasil ao longo das diferentes fases de incorporação na economia-mundo, isto é, nos três padrões da sua economia política: o de colônia (1500-1822), o de império mercantil (1822-1889) e o de capitalismo industrial periférico (1889-2002).

Para melhor explicar essa abordagem geográfica que fatalmente se apodera de um forte cunho histórico, parafraseamos os geógrafos Milton Santos e Maria Silveira quando afirmam que a história do território brasileiro é, a um só tempo, una e diversa, pois é também a soma e a síntese de suas regiões. Para entendê-la no seu processo e na sua realidade atual, um esforço de periodização é essencial. A questão é escolher as variáveis-chave que, em cada pedaço do tempo, irão comandar o sistema de variáveis, esse sistema de eventos que denominamos período. Eis o princípio a partir do qual podemos valorizar os processos e reconhecer as novidades da história do território. É desse modo que se pode dizer que o espaço é sempre histórico e sua historicidade deriva da conjunção entre as características da materialidade territorial e as características das ações.

Assim sendo, este escrito segue a idéia do geógrafo Antonio Carlos Robert Moraes quando infere que a geografia tal como concebida no transcorrer destas páginas, emerge em todas as épocas históricas e em todas as sociedades, pois se refere à relação inelutável dos seres humanos com o meio que os abriga. Pode-se, portanto, dizer que em qualquer período da história e em qualquer agrupamento humano existe uma geografia (material e discursiva) que compõe parte da cultura de cada grupo social e de cada civilização. A variedade destas geografias é inerente à variedade de culturas existentes na história humana. Logo, há necessidade de diferenciar e historicizar as culturas para bem contextualizar as suas geografias. Daí a necessidade de compor uma teia de fundamentos teóricos que sustentem a posição assumida: ver a geografia humana, em si, como uma modalidade de história, isto é, a espacialidade como elemento particularizador dos fenômenos históricos.

No desenvolvimento deste trabalho, o escopo maior foram os livros: Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo, O Brasil: território e sociedade no início do século XXI, A questão do território no Brasil e Território e história no Brasil. Obras de geógrafos bastante gabaritados e que explicam com clareza o processo de produção, construção e organização do espaço brasileiro, junto à sua introdução e relações com a mundialização do capital. Outra consulta importante foi feita na obra História do Brasil de Boris Fausto, além do portal www.presidencia.gov.br que nos auxiliou com os recortes temporais dos mandatos presidenciais e alguns dos acontecimentos histórico-espaciais importantes do Brasil.

Cabe também lembrar a descrição dos geógrafos já mencionados, Milton Santos e Maria Silveira, em uma importante interpretação que muito bem resume o presente texto. Esses dois geógrafos citam a obra Formação econômica do Brasil, do economista Celso Furtado, que distingue cinco momentos históricos do Brasil: 1) os fundamentos econômicos da ocupação territorial (até a implantação da empresa agrícola); 2)a economia escravagista da agricultura tropical (séculos XVI e XVII); 3) a economia escravagista mineira (século XVIII); 4) a economia de transição para o trabalho assalariado (século XIX) com a economia cafeeira, a imigração européia, a transumância amazônica e a eliminação do trabalho escravo; 5) a economia de transição para um sistema industrial (século XX), com a crise do café e o deslocamento do centro dinâmico.

Com base nas informações citadas nos parágrafos anteriores, usou-se metodologicamente o critério cronológico para atingir o objetivo em auxiliar/situar o aluno do ensino médio nos principais acontecimentos espaço-temporais desde os ciclos econômicos da colonização até chegarmos aos fluxos financeiros da globalização. Contudo, faz-se importante ressaltar que: por ser um complemento com o intento de servir como uma espécie de guia dos acontecimentos na produção do espaço brasileiro, não há nenhuma pretensão em abarcar com profundidade acadêmica tais acontecimentos, pois além de entendermos que o título Fragmentos de Brasil explica por si só a “superficialidade” escrita pela compilação das idéias de alguns autores, os livros didáticos adotados pelas escolas continuarão a ser o ponto de convergência do conhecimento discente.

Para fazer o download do arquivo completo em PDF (21 páginas), clique aqui!

5 Respostas to “Fragmentos de Brasil (1500-2002)”

  1. Fernanda Neves Says:

    Esse site está realmente fantástico Bau, parabéns. Tenho certeza que os outros arquivos são tão bons quanto esse que me ajudou muito a estudar e agora que eu consegui ele de novo vai ajudar novamente eu tenho certeza. 😀 Beijo.

  2. valeu isso ta muito bom !!!! meu sor de historia falou que a gente tinha que fazer uma linha do tempo desde 1500 a 2002

    obrigada mesmo bjs

  3. Opa o link está off prof!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: